Sociedade por João Pulita - Colunas do João Pulita - Sete Dias: agenda cultural, shows, exposições e mais
 
 

SOCIAL15/06/2020 | 06h10Atualizada em 15/06/2020 | 06h10

Sociedade por João Pulita

Veja a coluna social desta segunda-feira!

Sociedade por João Pulita Jucimar Milese / Divulgação/Divulgação
Maria Alberti Cesa no vernissage protagonizado por Victor Hugo Porto com ambientação assinada pela filha dela, a arquiteta Adriane Cesa, na Galeria Arte Quadros Foto: Jucimar Milese / Divulgação / Divulgação

Atmosfera

A Escola de Danças Carla Barcellos criou uma alternativa para manter as alunas ativas durante a quarentena. O resultado das aulas online ministradas pelo time de professores foi apresentado em um Home Show, no qual as bailarinas mostraram diretamente de suas casas o que aprenderam no período. As performances são postadas nas redes sociais do espaço comandado por Carla Barcellos e Bruna Bregolin. Como forma de cuidado e carinho, a escola também presenteou o elenco com máscaras personalizadas, e arrecadou cestas básicas, produtos de higiene, além de roupas que serão doados a famílias em vulnerabilidade social.

Clique e confira outras edições da coluna social de João Pulita

Maria Inês Salvador recepcionou Manoela Boff durante a abertura da 25ª edição da Vitrine Conceito, que uniu os talentos da arquiteta Adriane Cesa e do artista plástico Victor Hugo Porto Foto: Jucimar Milese / Divulgação
Isabel e Mario Sebben também foram prestigiar a 25ª edição da Vitrine Conceito com os traços criativos de Victor Hugo Porto e Adriane Cesa Foto: Jucimar Milese / Divulgação

Conexões

A Associação Brasileira de Design, presidida por Silvana Carminatti, realizará na quinta-feira, dia 25, o 13º Congresso Internacional de Design de Interiores por meio da plataforma online disponível no site www.abd.org.br/conad. As coordenadoras da ABD no Rio Grande do Sul, a caxiense Cristiane Buffon Formolo e a porto-alegrense Danielle Barbosa, já adiantam que o projeto terá conteúdo de peso, uma vez que haverá 20 palestrantes que discorrerão sobre temas atuais e soluções para o futuro da profissão. Entre eles figuram o filósofo e escritor Luiz Felipe Pondé, o arquiteto Marcelo Salum e a cineasta Flávia Moraes.

Iasmini Bellaver Dambros, Crislli Constante com a estilista Ana Dotto no projeto #LiveDoBem, que movimentou o condomínio Monterey, em prol da Liga Feminina de Combate ao Câncer Foto: Andréia Copini / Divulgação

Tubo de Ensaio

O idealizador da Engequímica, Luiz Alberto Bertotto, iniciou o mês de junho celebrando, no dia primeiro, a passagem de seu aniversário e na mesma data as comemorações ao redor dos 47 anos de fundação da empresa. Ao longo desse tempo, tornou-se referência em análise de águas e efluentes, além de consultoria na área ambiental com sua bagagem e experiência de mercado. Ao lado de Bertotto, atuam os filhos Fernando Bertotto, no setor administrativo e financeiro, e Carolina Bertotto, como Gerente Técnica. Integra também o time de 18 colaboradores, o genro de Luiz Alberto, Marcelo Viega Ramos.

.

O autorretrato de Vinicius!

Vinicius Gabrielli SandiFoto: Michele Censi / Divulgação

Vinicius Gabrielli Sandi, 22 anos, filho de Ivanor José Sandi e Silvana Gabrielli Sandi, é acadêmico do curso de Arquitetura e Urbanismo, iniciado no ano 2016 na UCS, e desde 2018 radicado em Portugal, foi aplicado estudante na Universidade do Minho e atualmente é aluno da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa. Libriano, o caxiense já atua como decorador e designer de interiores e em seus projetos imprime personalidade que valoriza a harmonia entre o clássico e o contemporâneo com um olhar generoso sobre a arte, história, moda e cultura. De passagem pela terrinha natal, por conta do recesso social, Vinicius conversou com a coluna e revelou sua versatilidade!

Qual sua lembrança mais remota da infância e que sabor te remete essa época? Ainda criança, ir ao Antiquário Art Rarus, lugar onde despertou em mim o interesse por arte, história, arquitetura e design.

Se pudesse voltar à vida na pele de outra pessoa, quem seria? De Cecil Beaton, fotógrafo inglês de moda, retrato e guerra, e figurinista britânico. Venceu o Oscar de melhor figurino na edição de 1959 pelo filme Gigi e na edição de 1965 por My Fair Lady. 

Acredita em casa ideal? Como é a sua? Acima de tudo precisa ter conforto, funcionalidade e praticidade. Deve acolher, abraçar o morador e atender as suas necessidades. Precisa ter a cara do dono da casa, não apenas do arquiteto. A minha casa é o meu “ninho”, lugar onde a minha personalidade fica evidente, onde recebo amigos e me sinto feliz, protegido e seguro. 

Como vislumbra a cena de arquitetura contemporânea no Brasil? As casas estão cada vez mais iguais, minimalistas e básicas. Tudo é branco, bege, frio e sem criatividade. Em geral, não possuem a memória afetiva do morador, nem refletem a personalidade das pessoas. Não consigo viver assim. Tenho muitas referências, aprecio história, arte, moda, cultura. Gosto de casa com vida.

Qual a passagem mais importante da tua biografia e que título teria se fosse publicada? A minha experiência residindo na Europa, por alguns anos. O título seria Happy Times. 

Qual o maior arquiteto do mundo e sua grande obra? Oscar Niemeyer e todo o conjunto de palácios, monumentos, e paisagens arquitetônicas de Brasília.

Como exercita a criatividade estando em casa, na quarentena? Procurando referências em revistas, livros, arquivos pessoais, além de aplicativos como Instagram e Pinterest. 

Como a arquitetura e a arte impactam a vida das pessoas? A arte e a arquitetura fazem parte do nosso cotidiano, integram a nossa cultura, a nossa história, e são fundamentais no desenvolvimento de um povo. Uma cidade bem organizada, com um bom planejamento urbano, que valoriza e incentiva a arte, promove experiências, conforto e bem-estar, agrega na vida das pessoas e oferece alta qualidade de vida. 

Qual foi o último achado para sua casa? Um biombo neoclássico do século 19 pintado à mão, óleo sobre tela, representando anjos e medalhões com jarras de flores, que garimpei em uma tradicional casa de leilões portuguesa. 

Fontes de inspiração? Frequentar museus e exposições pelo mundo. Visitar antiquários e galerias de arte e design. Ler livros e revistas. Viagens, filmes e materiais de arquivo. Além de mestres do passado como Monsieur Stéphane Boudin (presidente da influente Maison Jansen), Henri Samuel, Renzo Mongiardino e David Hicks. 

Um ícone da arquitetura e um do design: a arquiteta modernista ítalo-brasileira, Lina Bo Bardi (1914-1992), e o decorador de interiores e designer inglês, David Hicks (1929-1998).

Uma peça de design atemporal: a Office Chair do arquiteto e designer suíço Pierre Jeanneret (1896-1967).

Um ambiente equilibrado é aquele... que respeita proporções, harmonia entre cores, texturas, tecidos e estampas.

Um projeto dos sonhos? Planejar os interiores de um hotel.

Como se caracteriza o design que desenvolve? Existem elementos que definem a tua assinatura? É comum no Brasil existir a associação de que jovens precisam ser minimalistas, caso contrário estão ultrapassados. Não me limito a reproduzir o que é ensinado na faculdade de Arquitetura ou o que é tendência no mundo do décor. Crio ambientes únicos por meio de referências culturais nas quais o clássico aparece em harmonia com o contemporâneo. Acredito no resgate da cultura brasileira, no ecletismo, na mistura de estilos, no mix de texturas e cores que atribuem personalidade. Tudo aliado ao conforto, praticidade e exclusividade.

Qual a importância do design como fator de identidade de um povo, de uma cidade? Objetos produzidos pelo design são símbolos culturais uma vez que, aliados a estética e comunicação visual, reúnem informações e refletem comportamentos do povo do qual faz parte e passa a integrar a identidade e a cultura local. 

Onde busca equilíbrio e harmonia, seja no ambiente profissional ou pessoal? Ficar na companhia de amigos, da minha família e da minha cachorrinha Carlota, uma buldogue francesa que me proporciona muita paz, amor e felicidade.

Livro de cabeceira: O Retrato de Dorian Gray, do britânico Oscar Wilde.

Filme para assistir inúmeras vezes: Maria Antonieta, de Sofia Coppola.

Quais músicas não saem da sua playlist? Hôtel Costes, de Stéphane Pompougnac, e todos os clássicos da bossa nova.

Um objeto de desejo: o opulente choker e colar que cobriam com muito brilho o peitoral do marajá de Patiala, criado em 1928 pela Maison Cartier. 

Qual obra de arte gostaria de ganhar ou comprar? Alguma das criações inéditas do meu querido amigo artista plástico Sergio Lopes. 

Qual a palavra mais bonita da língua portuguesa? Esperança.

Uma palavra chave: fé.

Casa boa precisa ter... arte, livros, flores e conforto.

Lugar preferido em casa? A minha sala de leitura, que revesti as paredes de veludo verde esmeralda, local onde passo inúmeras horas do meu dia.


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros