Fábio Panone Lopes é um dos artistas engajados no projeto  #socialvirus - Colunas da 3por4 - Sete Dias: agenda cultural, shows, exposições e mais
 
 

3por416/04/2020 | 15h35Atualizada em 16/04/2020 | 15h39

Fábio Panone Lopes é um dos artistas engajados no projeto  #socialvirus

Pelo menos metade da renda arrecadada com a venda de obras é destinada a causas sociais

Fábio Panone Lopes é um dos artistas engajados no projeto  #socialvirus Arte de Studio Flop/Divulgação
Mudanças da natureza no período de pandemia inspiram artista Foto: Arte de Studio Flop / Divulgação

Uma ideia super do bem está ganhando forma pelas mãos de diversos artistas visuais do mundo no projeto #socialvirus. Eles estão criando telas, gravuras e desenhos neste período de distanciamento social e, ao vender as obras, doam pelo menos 50% do valor para causas sociais. Um dos nomes engajados atualmente nesta campanha é o caxiense Fábio Panone Lopes. Ele foi convidado pelo artista Binho Ribeiro, de São Paulo, a integrar o projeto, e tem se esforçado para incentivar outros criadores a entrar nessa.

Leia mais
Veja como ficou o maior mural artístico a céu aberto de Caxias

— Quem quiser participar é só produzir e postar nas redes sociais a hashtag #socialvirus, vender e ajudar de forma independente alguém. É possível ver pelas redes cada vez mais artistas se solidarizando e engajando ao projeto. Muitos são artistas renomados que toparam fazer obras ao valor acessível de R$ 100, para levar cor e vida nessa hora para dentro das casas, e ao mesmo tempo destinar parte do valor para ações sociais — aponta Panone.

O caxiense está produzindo uma série de 10 artes inspiradas em movimentos positivos que a natureza tem feito neste momento de pandemia. O pavão, aí em cima, é uma referência aos animais que tem reaparecido nas ruas de cidades da Índia. 

— A natureza está reocupando seus espaços pelo mundo. Já desenhei os cisnes em Veneza, as tartarugas que voltaram a acasalar na Índia, os pandas que, com a falta de visitas ao zoológico de Hong Kong, voltaram a ter uma vida sexual... Como retrato a proteção à natureza em meus trabalhos, estou utilizando este foco para ilustrar e me inspirar. Estou brincando com a coisa de que temos de aprender com a natureza — diz o artista.

Panone explica que, se vender todas as cópias das 10 séries que pretende fazer (a do pavão é a sexta), chegará a uma arrecadação de R$ 10 mil. Além de investir a verba em ações sociais e na compra de cestas básicas, o artista pretende destinar pelo menos R$ 4 mil para a compra de obras de outros participantes do projeto #socialvirus, contribuindo para que a roda da solidariedade siga girando.

Leia também
Nova edição do Atelier Virtual será realizada neste sábado
Iniciativas de artistas caxienses levam doações ao Banco de Alimentos
André Costantin: ilhas
Músico Pedro Costi mostra primeiro single de álbum, aprovado via Financiarte, nesta sexta
Saiba quais são os livros mais vendidos durante a quarentena

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros