Adriana Antunes: O Natal - Colunas da 3por4 - Sete Dias: agenda cultural, shows, exposições e mais
 
 

Opinião25/12/2018 | 17h13Atualizada em 25/12/2018 | 17h20

Adriana Antunes: O Natal

O Natal é a saudade do cheiro da nona, da visão dos vagalumes que desapareceram, da criança simples e feliz que éramos

Gosto no Natal, das luzes, do encontro, do salpicão. É sempre uma função, mas é uma função boa. Lembro dos natais da infância, muito simples, pois venho de uma família humilde, meu pai ex-metalúrgico, minha mãe ex-faxineira, ambos ex-agricultores. Nunca comi peru naquela época. Nem sabia que era tradição comer a ave. Era sorte quando tinha uma carne diferente, mas isso nunca fez falta. Espumante era outra iguaria que só fui conhecer muito mais tarde. A única coisa que realmente lamento é a falta de fotografias. Ter máquina fotográfica foi algo que meu pai nunca nem planejou, a vida exigia coisas bem mais básicas. As imagens que tenho são as que guardo na memória, e algumas que se construíram por conta do relato dos parentes. Era um período, apesar de mais escasso materialmente, pleno de amor e afetividade. A melhor parte era encontrar com os primos. A gente disputava para ver quem conseguia pegar mais vagalumes. Fazíamos aposta na corrida de sapos. Inventávamos histórias de terror e o que tivesse a melhor história poderia comer um pedaço de bolo a mais. Depois, lá pelas tantas aparecia um Papai Noel, que com o tempo fui desconfiando de que era uma invenção. Até o dia em que descobri que era um revezamento de tios. Às vezes era tio Setembrino, irmão do pai, às vezes o tio Zé, irmão da mãe. Pessoas que carrego no coração até hoje e agradeço por terem alimentado meu imaginário. Os presentes também eram algo à parte. Lembro de ter ganho boneca uma única vez, de plástico, cujo olhos logo desapareceram porque eram feitos de uma tinta de pouca qualidade. Foi na boneca que comecei a desenhar. Primeiro refiz os olhos, depois a boca e assim desenho bonecas até hoje. Havia dois presentes que eram os meus favoritos: bolacha feita em casa e canetas hidrográficas.

Foto:

Leia mais:
Adriana Antunes: animais abandonados
Adriana Antunes: eu e o guindaste
Adriana Antunes: o fim 

Fecho os olhos e descubro que o tempo passou tão rápido. Minha nona morreu e será o primeiro Natal sem ela e sem seus biscoitos feitos no forno do fogão à lenha. Sabe, precisamos parar de nos preocupar com a roupa, ou ceia, ou tipo de espumante, ou presentes. O Natal não é isso. O Natal é a saudade do cheiro da nona, da visão dos vagalumes que desapareceram, da criança simples e feliz que éramos. É preciso recuperar a criança que fomos, que tinha um olhar mais amoroso para a vida e para as pessoas. Aproveitar o tempo de que ainda dispomos perto das pessoas que amamos, antes que elas se vão. Acreditar que é possível, sim, sermos felizes na medida em que formos mais verdadeiros. E sorrir outra vez quando o pacote se abrir e descobrirmos que era justamente por aquilo que se tinha esperado um ano todo para finalmente poder ganhar: amor.

Leia também:
"O Mundo de Sofia" foi livro mais retirado em 2018 na Biblioteca da UCS, em Caxias
Réveillon de Torres terá show com SPC
Disco dos caxienses da Catavento integra várias listas nacionais de melhores lançamentos do ano 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros